A INCONVENIENTE LOJA DE CONVENIÊNCIA-UM LUGAR PERFEITO PARA SE VISITAR

Sabe aquele livro que te surpreende à cada capítulo? É este. 
Fiquei imaginando o que poderia acontecer de tão interessante numa loja de conveniência.
Mas confesso que essa loja despertou minha atenção?
Seria a proprietária, a gentil senhora Yeong-Sook Yeom?
 Ou o misterioso funcionário Dok-go, cujo passado não se recorda? 
Não importa,pois a medida que historia se desenrola, percebemos que essa loja é diferente.
E foi assim, que um dia na estação de Seul, uma  senhora chamada Yeong-Sook Yeom perdeu sua bolsa.
Mais tarde, alguém que a encontrou queria devolvê-la. 
A idosa foi ao encontro do estranho e assim conheceu Dok-go, um rapaz sem teto que queria apenas fazer o que julgava correto.
Mas a sua atitude, o fez ganhar a confiança da senhora e levá-lo para trabalhar em sua loja e lhe dar uma segunda chance.

Dok-go não lembrava do seu passado, nem do seu verdadeiro nome mas era grato e se dedicou com afinco a aprender como atender os clientes da loja. 
Sua patroa,  sabia o quanto a loja era importante para seus funcionários. Mesmo que seu filho, insista que ela venda para ajudá-lo, ela resiste porque pensa nas pessoas que dependem daquele emprego. 

A loja não não dá lucro!
Mas os clientes saem satifeitos de alguma forma.

Infelizmente filho da senhora Yeong-sook não est[a feliz com a situação e vai tentar de todas as formas prejudicar e demitir Dok-go, chegando a colocar um detetive para descobrir quem ele é de fato.

'Voltando para casa sozinha de ônibus, a senhora Yeom pensou nos funcionários da loja de conveniência. Ultimamente ela se sentia mais à vontade com eles, e pareciam mais sua família que seu filho desobediente e sua filha orgulhosa.'

Ho-yeon, Kim. A inconveniente loja de conveniência (Portuguese Edition) (p. 26). Bertrand. Edição do Kindle. 
Mas antes de que tudo seja esclarecido, o leitor vai ter a oportunidade de viver várias histórias de cada cliente que vai a essa loja "incoveniente" e no final cada experiência vivida por essas pessoas , vai tocar nosso coração.    

— A marmita... da loja de conveniência... S-Será que eu posso?... Na hora, a senhora Yeom sentiu um quentinho no peito. Sentiu o título "patroa" e a palavra "marmita" amolecendo seu coração.— Claro. Pode comprar a marmita. Se estiver com sede, pode comprar uma bebida também. — O-Obrigado.


É livro cheio de surpresas e de reviravolvas que vão encher os corações  de esperança.


Comentários